Início História

História

SOBRE CUITÉ DE MAMANGUAPE

A cidade de Cuité de Mamanguape teve sua origem a partir da criação de três fazendas denominadas de “Faço Sempre”, pertencente a uma senhora chamada de “Chica Gorda”, a dona do engenho que deu início ao povoado denominado de “Cuité de Chica Gorda”, por volta dos anos 1773 a 1833. Juntamente com ela surgiram as outras duas fazendas onde construíram-se mais dois engenhos: o segundo de propriedade de Manoel Marcelo e o terceiro de Elias Pereira e Capitão José Jerônimo, proprietários respectivamente dos engenhos de nome “Vai Se Puder” e “Vai ou Quebra”, ambos movidos à cavalo. Cuité tem em suas principais famílias fundadoras, os Corrêa, Bêco e Gerônimos. A família Corrêa era descendente de fugitivos de Fernando de Noronha, a qual teve acesso através do porto de Mamanguape. As atividades existentes da época eram basicamente a cana-de- açúcar, o milho, a mandioca e o feijão. O “Capitão” José Gerônimo predominou na época de 1868 a 1903. Manoel Marcelo, de 1853 a 1868. Elias Pereira, de 1833 a 1853. E Chica Gorda, de 1773 a 18833. O primeiro automóvel visto em Cuité, foi em 1926, de propriedade do senhor Severino Helai, em visita a família Bêco. O segundo automóvel a visitar Cuité, era de propriedade de Franco Correia, em 1928.

O primeiro caminhão a circular no povoado de Cuité, era de propriedade de João Claudino, no ano de 1933, na estrada que liga Sapé a Cuité.
Antes deste evento os produtos agrícolas eram transportados à carro-de- boi e à cavalo. O desenvolvimento de Cuité teve início a partir de 1948, com a criação de uma feria livre, durante a gestão do prefeito José Fernandes de Lima, no ano de 1946.
Entre 1946 e 1952, houve a construção da estrada que liga Cuité a Mamanguape, de um grupo escolar, do mercado público e do açougue na Vila de Cuité, além de um cemitério. De 1952 a 1956, o prefeito Eduardo Ferreira de Alencar construiu apenas um Posto Fiscal. De 1956 a 1960, o prefeito Francisco Gerbasi, nada construiu. De 1960 a 1964, o prefeito Manoel Fernandes construiu um prédio e nele instalou energia elétrica a motor para iluminar a Vila.
De 1964 a 1968, o prefeito Coronel Castor do Rego, construiu uma escola no Sítio Lagoa do Félix, outra no Sítio Arroz e outra em Cuité, com o nome de Grupo Escolar Pedro Sena. De 1968 a 1972, o prefeito Manoel Fernandes construiu um Posto de Saúde.
De 1972 a 1976, o prefeito Manoel Castro, construiu dois grupos escolares, sendo um no Ribeiro e outro no Sítio Pedro.
De 1976 a 1982, o prefeito Miguel Tomás Soares, construiu a estrada da Capuaba, Umari e Lagoa do Félix; eletrificou a vila de Cuité; construiu o grupo dos Cardosos e Capuaba.
De 1982 a 1988, o prefeito Gustavo Fernandes, construiu três grupos escolares, um em Cuité, outra na Lagoa do Félix e outro em Inhauá. Eletrificou o Sítio Arroz, o Sítio Pedro e Lagoa do Félix. Instalou água e telefone na vila de Cuité. Criou uma feira livre na vila de Cuité. Construiu uma quadra esportiva e construiu 74 bueiros no distrito.
Cuité de Mamanguape – ex-distrito de Mamanguape, teve sua emancipação política em 05 de Maio de 1994, tornou-se independente do por força da Lei nº 5.890, de 29 de abril de 1994, tendo eleito como primeiro prefeito, Nemézio Augusto de Meireles “Biba”, para o período de 1994 a 2000. Nemézio Augusto de Meireles foi reeleito para o mandato de 2001 a 2004.
João Dantas de Lima foi o segundo Cuiteense a assumir a prefeitura para exercer o mandato de 2005 a 2008.
De 2009 a 2012, é eleita a filha de Nemézio Augusto de Meireles, Isaurina Santos Meireles de Brito, sendo reeleita para o quadriênio de 2013 a 2016.

Geograficamente, o município de Cuité de Mamanguape, situa-se na microrregião do litoral norte, distante 72km de João Pessoa, capital da Paraíba. Clima temperado, a hidrografia é formada pela Bacia Mamanguape, Rio Cuité, Ribeiro, Guariba e Rio dos Marcos.
Limita-se ao norte com o município de Itapororoca; ao sul, com o município de Sape; a leste, com o município de Capim; e a oeste com o município de Araçagi; e ao sul com o município de Marí.

HINO

Salve Berço de herói tão luzente
Teu nascer foi com luz e esplendor
Emigrantes lançaram harmonia
Neste solo de paz e amor.
Estribilho:
Ó Cuité de Mamanguape, produz
Novas fontes que brilham sobre o azul
O teu verde, esperança, teu povo
O teu braço é a paz que conduz (bis)
Tua história cresceu no saber,
Foi herdada por herói sem temer
Com a força bradou o trabalho
Neste puro torrão, sem o brado.

As estrelas com brilhos e fulgor.
Mãos de obras no campo e lavrar,
Este homem de alma tão pura,
Esta terra tão fértil a arraigar
Ó Cuité de Mamanguape desperta,
O teu povo para um outro nascer;
As culturas, e o saber dessa gente,
Produzindo, novo viver.
Parabéns a você que retrata,
Com a luta coragem a vencer
Esta fibra de um vulto histórico
Que não cessa o esforço no crescer.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support